Em Cametá, projeto da Uepa busca prevenção à doença de Chagas no consumo de açaí

Em Cametá, na microrregião do Baixo Tocantins, cidade que se destaca em volume de produção do açaí, a falta de atenção aos critérios de higiene e de boas práticas, bem como a capacitação dos batedores do fruto, estimulou a professora da Universidade do Estado do Pará (Uepa), Natácia Silva, a desenvolver o projeto Prevenção da doença de Chagas: manipulação higiênico-sanitária e branqueamento do açaí, garantindo a segurança alimentar da população da região. O projeto é financiado pela Justiça do Estado do Pará – Comarca de Cametá, e realizado em parceria com a Vigilância Sanitária.

Doutora em Tecnologia de Alimentos, Natácia Silva, que também coordena o Campus da Uepa em Cametá, define como principal objetivo do projeto “capacitar os manipuladores de açaí da Cidade de Cametá em relação ao branqueamento”, técnica para a retirada das impurezas, insetos e outros resíduos que ficam na superfície do fruto.

“O projeto pretende contribuir também com a melhoria da gestão dos empreendimentos dos produtores locais e com a qualidade do produto ofertado, visando a saúde pública”, explica a doutora, que na primeira etapa do projeto, coordenou uma equipe de 15 bolsistas de cursos de graduação e pós-graduação.

Eles avaliaram os locais de armazenamento e beneficiamento do açaí em 47 pontos de venda, aplicando uma lista de verificação, baseada em resolução da Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anivsa), que dispõe sobre as Boas Práticas de Fabricação e sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados, ambos aplicados aos estabelecimentos produtores ou industrializadores de alimentos.

Em visitas aos pontos de venda na área urbana de Cametá, a equipe conta com o apoio da Vigilância Sanitária, para facilitar a entrada dos pesquisadores aos locais. Desde janeiro de 2012, o órgão estadual estabeleceu, por meio do Decreto nº 326, “regras para cadastramento dos batedores artesanais de açaí e bacaba; padrões para instalações, materiais, máquinas e equipamentos; condições higiênico-sanitárias e boas práticas de processamento”.

As medidas citadas visam garantir a segurança alimentar dos consumidores, para evitar contaminações microbiológicas causadoras de doenças como a Tripanossomíase americana, conhecida como doença de Chagas, causada por um inseto que pode estar presente entre os grãos do açaí, o barbeiro. Por essa razão, em sua segunda etapa, o projeto coordenado pela professora Natácia Silva, ofertou um curso de capacitação para 40 batedores de açaí da área urbana do município.

Em novembro de 2019, uma ação conjunta entre a Promotoria de Cametá, Vigilância Sanitária, Secretaria Municipal de Agricultura, Procon e Polícia Militar interditou 21 estabelecimentos, após a Secretaria Municipal de Saúde ter identificado dez casos confirmados da doença de Chagas, causados por ingestão de açaí contaminado.

FISCALIZAÇÃO, CONSCIÊNCIA E SUCESSO

Proprietários do Açaí do Alho, no bairro Novo, Aline da Silva e Izaias Alho receberam a visita da equipe de fiscalização, na operação do chamado Dia D. “Naquela ocasião, o nosso ponto foi o único que ficou aberto no bairro. A fiscalização até usou o nosso estabelecimento como exemplo para os outros”, orgulha-se Aline.

Quando a fiscalização chegou ao Açaí do Alho, Aline e Izaías já tinham participado do curso de capacitação para manipulação higiênico-sanitária e branqueamento do açaí, realizado na Uepa em Cametá, no âmbito do projeto coordenado pela professora Natácia Silva.

Na avaliação da batedora de açaí, “ter participado dessa capacitação ajudou bastante”, porque antes não faziam o branqueamento. “Depois do curso, nós tivemos aumento das vendas, porque ganhamos mais confiança dos clientes e conseguimos a legalização do ponto”, explica Aline. Mas, a professora Natácia Silva explica que a realidade do “Açaí do Alho”, não corresponde à da maioria dos pontos de venda da cidade.

A coordenadora do projeto Prevenção da doença de Chagas: Manipulação higiênico-sanitária e branqueamento afirma que, de acordo com os dados da Vigilância Sanitária, há 186 pontos cadastrados na cidade de Cametá, “mas, no período da safra esse número aumenta muito, porque muitas pessoas abrem pontos informais e nesses casos, os cuidados também diminuem”.

Fonte: O Liberal

Deixe uma resposta