REFORÇO CONTRA A COVID-19: Estado amplia leitos no Baixo Amazonas e Tapajós

No município de Santarém, principal cidade da região oeste do Pará, o número de casos confirmados de Covid-19 não para de crescer. Segundo o último boletim divulgado pela prefeitura na noite deste sábado (16), o total de casos positivos chegou a 13.322, enquanto que o número de mortos é de 484 vítimas. Santarém é uma das cidades que passou da bandeira laranja para a vermelha após a revisão feita pelo Estado diante do aumento dos casos do novo coronavírus. A cidade vai receber a partir da próxima semana novos leitos clínicos e de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

Regiões do Baixo Amazonas e Tapajós vão receber novos leitos clínicos e de UTI. Foto: Agência Pará

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), aumentará a quantidade de leitos clínicos e UTIs disponíveis para os pacientes com Covid-19 nas regiões do Baixo Amazonas e Tapajós. Ao todo, serão 90 UTIs e 34 leitos clínicos, divididos entre os Hospitais Regionais do Tapajós, em Itaituba; do Baixo Amazonas, em Santarém; e Hospital 9 de Abril na Providência de Deus, no município de Juruti.

O município de Itaituba, que atualmente conta com 30 leitos de UTIs, transformará 30 leitos clínicos em Unidades de Tratamento Intensivo, totalizando 60 UTIs, junto aos 24 leitos clínicos. Em Santarém, serão abertos, na próxima segunda-feira (18), mais quatro leitos de UTI, totalizando 20 leitos de UTI e cinco leitos clínicos exclusivos para pacientes com Covid-19 no Regional.

Na segunda-feira (18), será lançado o serviço Porta Aberta de Politrauma no Regional de Itaituba, para garantir 10 leitos de UTI Politrauma e 54 leitos clínicos de trauma. 

No município de Juruti, divisa com o estado do Amazonas, o Governo do Pará disponibilizou 10 leitos de UTIs, que já estão prontos, desde o início da tarde deste sábado (16), para receber os pacientes que necessitarem. Duas pessoas estão em processo de transferência para os novos leitos: um de Juruti, que está sendo transferido do Hospital Municipal, e outro da cidade de Faro.

Ainda que a região Oeste do Pará apresente estabilidade de casos e internações, a estratégia é para garantir suporte, especialmente, aos municípios da região da Calha Norte, como Faro, Juruti, Terra Santa, Óbidos e Oriximiná.

“Queremos atender as cidades que compõem a Calha Norte, evitando que a estrutura e rede hospitalar de Santarém seja sobrecarregada. Mesmo com a estabilidade, queremos estar prontos para atender qualquer necessidade de pronto”, disse Rômulo Rodovalho, titular da Sespa.

Também estão sendo enviados médicos intensivistas, que garantam o atendimento de casos de alta complexidade, caso haja necessidade. O Hospital 9 de Abril conta também com cinco leitos clínicos.

A diretora-geral do 9º Centro Regional de Saúde da Sespa em Santarém, Aline Cunha, explica que foi realizada uma visita técnica na última quinta-feira (14), que identificou a importância de disponibilizar, preventivamente, os leitos de UTI para descentralizar os atendimentos na região.

“Sabemos que a nossa região é divisa com o Amazonas e acompanhamos a explosão de casos no estado vizinho, então entendemos que deveríamos agir de forma preventiva, redobrando os cuidados, inclusive, as barreiras sanitárias. Estamos fazendo tudo o que é possível pela segurança e saúde dos paraenses”, ressalta.

O secretário regional de Governo do Oeste do Pará, Henderson Pinto, afirmou que com o fechamento das divisas dos transportes hidroviário e rodoviário, órgãos estaduais trabalham integrados para garantir o cumprimento das medidas.

“Estamos com equipes de segurança pública da Polícia Militar e também com apoio do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), para reforçar a barreira e conter a passagem de pessoas que venham do Amazonas. É uma ação preventiva para que não aconteça no Pará o que está acontecendo no estado vizinho”, explica o secretário Henderson.

A alteração no bandeiramento está indicada no Decreto Estadual 800/2020, que trata sobre as bandeiras indicadas por região e o retorno gradual de atividades no Pará. De acordo com a legislação, a orientação do Governo aos municípios que estiverem em bandeira vermelha é a de liberar apenas serviços e atividades essenciais em seus territórios, resguardando o distanciamento social controlado.

O bandeiramento leva em consideração a capacidade hospitalar controlada e a evolução em fase decrescente de contaminação pela Covid-19 na regiões do Estado.

Na próxima segunda-feira (18), em Santarém, o Comitê de Gestão de Crise da Covid-19 em Santarém vai reunir para analisar medidas restritivas das atividades não essenciais no município, que passou para a bandeira vermelha, após decreto estadual.

Deixe uma resposta