MPF pede ao Ministério da Saúde que envie remédios do kit intubação para Santarém (PA)

Foto: Pedro Guerreiro / Ag. Pará

O Ministério Público Federal (MPF) enviou ofício ao Ministério da Saúde solicitando apoio para assegurar o fornecimento dos remédios do chamado kit intubação para a Prefeitura de Santarém, no oeste do Pará. A Secretaria Municipal de Saúde informou que o conjunto de medicamentos necessários para manter o estoque nas unidades de atendimento locais não são encontradas para venda no mercado, o que exige a intervenção governamental.

O kit intubação define um conjunto de medicamentos de analgesia, sedação, bloqueio neuromuscular, usados em pacientes que precisam passar pelo procedimento de intubação, utilizado no tratamento de pacientes graves de covid-19 para permitir a desinflamação dos pulmões. Santarém solicita o envio de 19 diferentes fármacos para suprir os estoques municipais.

No ofício enviado ao Ministério da Saúde, o MPF ressalta a importância de assegurar os estoques uma vez que Santarém atende várias cidades próximas, “sendo a cidade referência para encaminhamento de pacientes e onde todos buscam atendimento em saúde de diversas especialidades mais próximo, tendo sido um dos motivos pelos quais fora instalado o Hospital de Campanha nesta cidade”, dizem os procuradores da República no documento.

De acordo com as informações da Secretaria Municipal de Saúde, as unidades hospitalares estão em estado de alerta para a oferta de medicamentos e os estoques atingiram seu limite crítico, o que pode comprometer o atendimento aos pacientes. De acordo com os gestores municipais, não há disponibilidade no mercado para aquisição das substâncias.

“Considerando o aumento expressivo no consumo de determinados medicamentos ficamos ainda mais preocupados, visto que o impacto da alta demanda versus a capacidade de produção da indústria farmacêutica tem gerado falta de medicamentos no mercado nacional, não só com o kit intubação, mas outros medicamentos também importantes para o funcionamento das unidades hospitalares”, diz o ofício da Secretaria de Saúde de Santarém.

Com informações do MPF

Deixe uma resposta