Polícia Civil prende traficante que comandava do Rio de Janeiro, o tráfico de drogas na região de Santarém

Um traficante que comandava, à distância, o tráfico de drogas na região de Santarém, no oeste do Pará, foi um dos presos pela Polícia Civil do Pará no estado do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (18), durante a operação ‘Cabeças IV’. Ele pertence a uma facção criminosa e responde na Justiça por crimes de homicídio. O nome do criminoso não foi divulgado.

A polícia paraense atuou conjuntamente com outras forças policiais de outros estados, como Amazonas, São Paulo e Rio de Janeiro. Mais de 600 homens participaram do cerco às favelas da Penha (RJ).

Policiais civis do Pará prenderam criminosos que se escondiam no complexo da Penha, no Rio de Janeiro. Foto: Polícia Civil I Divulgação

O objetivo da ação policial era cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão contra pessoas ligadas a grupos criminosos, que além de cometerem crimes, comandavam ações no Pará e Amazonas. Manaus recentemente foi cenário de uma série de ataques coordenadas por criminosos que teriam ordenado ataques a ônibus, hospitais e prédios públicos.

A quadrilha é acusada de ter movimentado R$ 125 milhões junto ao Comando Vermelho, a maior facção criminosa do Rio de Janeiro.

Durante a ação, um adolescente de 16 anos foi com um tiro na cabeça dentro de casa, no Morro da Fé, Complexo da Penha. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Além do adolescente, outras duas pessoas suspeitas morreram e outra foi levada com vida para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, para onde foram levadas também as outras vítimas. Oito pessoas foram presas, entre elas, Marcelo Nunes da Silva, o Marcelão, apontado como chefe do tráfico de drogas no Amazonas. Uma tonelada de maconha foi apreendida na ação.

“Nós tínhamos informações de que criminosos do Pará eram os responsáveis por assaltos a joalherias na zona sul do Rio. Há 15 dias, a polícia do Estado do Amazonas nos informou que traficantes de lá estariam se escondendo no Rio. E avançamos nas investigações em conjunto. O esconderijo era o Complexo da Penha”, explicou o subsecretário Operacional da Polícia Civil, delegado Rodrigo Oliveira.

A “Operação Cabeças”, da Polícia Civil do Pará, já prendeu pessoas nos Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Amazonas, Goiás, Santa Catarina e em diversos municípios do Pará.

Na operação desta sexta-feira, as diligências se concentraram no Complexo da Penha, na Zona Norte do Rio, local apontado pelo Núcleo de Inteligência Policial (NIP) como esconderijo dos alvos da operação. A área é considerada de difícil acesso, por ser íngreme e ter inúmeras vielas, que aumentam o risco de fuga e confronto. Logo na chegada, a equipe de policiais da PC-PA se deparou com um veículo atravessado em um dos acessos, para impedir a passagem dos agentes.

Participaram das ações agentes do Núcleo de Inteligência Policial (NIP), da Diretoria de Polícia Especializada (DPE), da Delegacia de Homicídios (DH) e da Delegacia de Repressão a Facções Criminosas (DRCO).

“O intuito é sempre o mesmo, fazer cumprir a justiça para quem cometeu crimes dentro do nosso estado. A Polícia Civil do Pará não mede esforços para trazer tranquilidade, mesmo que para isso, nossos agentes precisem enfrentar as adversidades de ir para uma região desconhecida. É importante ressaltar que essas ações começam muito antes, com investigações, levantamentos e o protocolo jurídico. Processo necessário para que a justiça seja feita de forma contundente”, enfatizou o delegado-geral da Polícia Civil, delegado Walter Resende.

Todos os presos já estão à disposição da Justiça e aguardam decisão judicial para o encaminhamento ao Pará, onde serão custodiados em um presídio estadual.

Balanço – No Estado do Rio de Janeiro foram 8 presos, sendo quatro do Pará autuados em flagrante por uso de documento falso, três do Amazonas e um do Rio, além da apreensão de uma tonelada de drogas e munições de calibre ponto 50, fuzil e granada.

Com informações da Polícia Civil e Portal do Amazonas

Deixe uma resposta