MP reúne para tratar da educação para a preservação do patrimônio histórico e cultural

Uma reunião foi realizada na manhã desta quinta-feira (26), na sede da 13ª Promotoria de Justiça de Santarém, com as pesquisadoras da Universidade Federal Oeste do Pará (Ufopa), responsáveis pelo programa “Arqueologia nas Escolas: Histórias da Amazônia”, com objetivo de discutir a implantação da educação patrimonial como política pública nas escolas.

Pesquisadoras do programa “Arqueologia nas Escolas: Histórias da Amazônia”, da Ufopa, falaram sobre suas ações

Participaram a promotora de Justiça Lilian Braga, titular da 13ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Patrimônio Cultural e Habitação e Urbanismo de Santarém, e as pesquisadoras Anne Rapp Py-Daniel e Myrtle Pearl Shock.

O programa é resultado de parceria entre a Ufopa e o Museu Paraense Emílio Goeldi, e fomenta diálogos com a História e a Antropologia no âmbito educacional. A reunião é parte de procedimento instaurado na promotoria para estabelecer parcerias que possam ser revertidas em políticas educacionais com objetivo de preservar a riqueza cultural e patrimonial na região metropolitana de Santarém

A promotora de Justiça Lilian Braga destacou a necessidade de ordenar prioridades nessa questão e envolver as escolas, estudantes e professores para conhecerem e se aliarem nas ações do programa.

As pesquisadoras trouxeram exemplares das quatro publicações já lançadas: Arqueologia e suas aplicações na Amazônia; Uma Santarém mais antiga sob o olhar da Arqueologia; Descobrindo a Arqueologia; e Guia Arqueológico do Parque Estadual de Monte Alegre.

No próximo dia 8 de setembro, outra reunião está agendada, sendo convidados representantes da 5ª URE e das secretarias de Educação de Santarém, Belterra, Mojui dos Campos e Jacareacanga, além da direção das São Sebastião do Murumurutuba e Ir. Dorothy, que já receberam ações do programa.

As informações são do MPE

Deixe uma resposta