Hospital de Porto Trombetas, sediado em Oriximiná, comemora 36 anos de atividades no oeste do Pará

Fachada HPTR (Foto: Divulgação Pró-Saúde)

A vocação e o compromisso pelo atendimento humanizado em saúde movem 184 profissionais como a técnica de Enfermagem Regilene Costa no Hospital de Porto Trombetas (HPTR), localizado no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná (PA). Aproximadamente 750 mil atendimentos foram realizados nesta região nos 36 anos de atividades do HPTR, que serão comemorados nesta sexta-feira, dia 23 de julho. “Eu sou apaixonada pela minha profissão. Escolhi cuidar incondicionalmente das pessoas, visando o bem-estar, sua integridade e dignidade. Vê-las voltando para casa com a saúde restabelecida, ativa em mim um sentimento de compaixão e solidariedade”, declara Regilene Costa, que nasceu em Prainha e há 24 anos trabalha neste hospital.

Em sua trajetória, Regilene conta que viu e vivenciou muitas situações que serviram como aprendizado e crescimento profissional e que ela acredita que também contribuíram para o fortalecimento e a credibilidade do HPTR. “É muito gratificante fazer parte de uma empresa que busca melhoria contínua pela qualidade na assistência dos pacientes, criando novos processos, aperfeiçoando o sistema de gestão, buscando certificações e capacitando profissionais”, comenta.

Regilene Costa – Técnica de Enfermagem do HPTR (Foto: Arquivo pessoal)

Mantido pela Mineração Rio do Norte (MRN) e gerenciado pela Pró-Saúde, o hospital tem mais de 25 especialidades, entre presenciais e telemedicina, realizando atendimentos ambulatoriais, de urgência, cirurgias e internações. O HPTR também acompanha as mudanças na região nesses 36 anos, evoluindo na qualidade profissional, técnica e de infraestrutura para atender os desafios da saúde na região. “Crescemos com tecnologias, pessoal, treinamento e especialistas. Nossos principais desafios são conseguir atender as comunidades de Porto Trombetas, quilombolas e ribeirinhas de Oriximiná, considerando as especificidades de saúde, região e logística com as compras de materiais”, pontua Diogo Abreu, gerente do Departamento de Saúde da MRN.

Infraestrutura – Entre as 25 especialidades estão pediatria, ginecologia, obstetrícia, ortopedia, clínica médica, cirurgia geral, anestesiologia, sendo que estas disponibilizam atendimento 24 horas. Entre os 184 funcionários, 24 são médicos. O HPTR tem 22 leitos de internação e realiza exames de análises clínicas, patologia e diagnóstico por imagem. Paralelamente, realiza atendimentos ambulatoriais de medicina do trabalho, oftalmologia, puericultura e diversas especialidades fornecidas via telemedicina.

Superação na pandemia

O maior desafio foi trabalhar de forma intensa na linha de frente da prevenção e combate ao novo coronavírus, sendo referência de assistência à saúde para as comunidades da região do Porto Trombetas e Alto Trombetas. “Além do atendimento hospitalar, participamos da campanha de prevenção junto ao comitê de crise e à equipe da MRN. Fizemos testagem e isolamento em massa, tratamento imediato em todos os pacientes que nos procuraram, contratamos equipe exclusiva e criamos uma unidade exclusiva de Covid-19. Disponibilizamos ainda uma UTI móvel para a retirada de pacientes graves e críticos, entre outras ações, conduzidas bravamente no cenário da pandemia. Atualmente, também estamos vacinando alguns grupos como prioritários, gestantes, comorbidades e lactantes, entre outros, em um posto, montado no Cineteatro de Porto Trombetas”, conclui Abreu.

Entre os pacientes que receberam tratamento e tiveram rápida recuperação no HPTR estão a empreendedora Luciana Castro Marinho e o esposo dela, o policial militar Benedito Ferreira Borges, que foram diagnosticados com o novo coronavírus no início de 2021. “Começamos a sentir os sintomas, mas não queríamos acreditar que era Covid-19, pois tivemos esta doença quando começou a pandemia. Fomos atendidos no dia 10 de janeiro e retornamos para casa para fazer o tratamento. No dia 15, começamos a sentir sintomas mais intensos da doença. Por isso, fomos para o hospital, onde ficamos internados por 11 dias. Ficamos debilitados e desanimados, mas o acompanhamento e o tratamento foram maravilhosos e nos deram força para acreditar que a gente ia se recuperar. Só tenho a agradecer aos médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e a equipe de higienização. Com certeza, o acolhimento, a atenção e os cuidados destes profissionais fizeram a gente vencer esse vírus”, relata Marinho.

Paciente Luciana Marinho (Foto: Arquivo pessoal)

Certificação de boas práticas

Uma das importantes conquistas foi o selo de qualidade do Conselho Federal de Enfermagem, recebido em novembro de 2019, que certifica as boas práticas e as resoluções atreladas à prática da assistência de enfermagem do hospital. Atualmente, a equipe do HPTR trabalha para obter uma nova certificação, desta vez internacional, relacionada à segurança do paciente. A Comissão de Humanização também é um dos diferenciais que contribuem para o HPTR ser considerado referência em média e baixa complexidade nesta região. “Os atendimentos valorizam especificidades como as de comunidades quilombolas, respeitando ao máximo a privacidade, a forma de viver e conviver. Também temos diversos projetos como Grávidas de Trombetas, Crescendo Juntos, A Hora do Soninho, entre ações e campanhas que somam com esta humanização do hospital”, assinala o gerente do Departamento de Saúde da MRN.

Selo da Qualidade do Cofen (Foto: Divulgação Pró-Saúde)

Mais conforto para os comunitários

Entre os recentes investimentos na ampliação de atendimento está o Odontomóvel, que, a partir deste mês de julho, contará também com o serviço de extração, além de restauração e limpeza, que já são ofertados, e passa a ficar em ponto fixo ao lado do Ambulatório da Feirinha de Porto Trombetas, para atender com maior conforto e comodidade o público das comunidades quilombolas Boa Vista, Alto Trombetas 1 e Alto Trombetas 2. “Com isso, além de ampliar a capacidade de atendimento, facilita o acesso dos comunitários aos serviços, reduzindo o deslocamento até o Hospital de Porto Trombetas”, conta Abreu.

Para o diretor médico, Gustavo Estanislau, os diferenciais são a qualidade do atendimento e dos profissionais, além da estrutura do hospital. “A busca constante é pela excelência. Atualmente, o hospital está com um grande projeto de melhoria buscando qualidade e segurança para o paciente por meio de auditorias para conquistar selos e certificações hospitalares. Também temos projetos visando humanização e sustentabilidade”, declara Estanislau.

Fonte: Temple Comunicação

Deixe uma resposta